Para Entrar num Mercado Competitivo, Corrija 4 Fragilidades e Riscos da Empresa

, , ,

Como entrar num mercado muito competitivo?

Para quem é empresário, responder esta pergunta é crucial para fazer o negocio avançar.

E tem outra questão. Muitas vezes o mercado não era competitivo quando você chegou, mas depois ficou disputado.

Quanto mais concorrido for um mercado, maiores os riscos para sua empresa sobreviver lá. A gestão dos riscos torna-se então elemento decisivo para você ter sucesso.

Para enfrentar situações dessa natureza, não tem outra saída: você precisa identificar os riscos envolvidos no negócio, além de corrigir todas as fragilidades da empresa.

São 11 Fragilidades e Riscos que devem ser resolvidos. Porém, 4 Fragilidades em especial devem ser observadas em primeiro lugar. Isso ocorre com as empresas em geral, especialmente as pequenas e médias.

Para entrar num mercado muito concorrido, deve-se corrigir inicialmente 4 fragilidades e riscos da empresa. Mas  todas as 11 fragilidades precisam ser resolvidas logo em seguida.

As 4 fragilidades iniciais são as seguintes: Fragilidade do Cliente, Fragilidade do Colaborador, Fragilidade da Venda e Fragilidade Financeira. Se você vacilar em qualquer uma delas, provavelmente será engolido por qualquer mercado altamente disputado.

Na verdade, as 4 fragilidades mencionadas acima devem ser resolvidas mesmo que o mercado não seja tão disputado. No caso dele ser concorrido, se qualquer uma das 4 fragilidades lhe atingir, você terá poucas chances de êxito.

Uma empresa com fragilidades aumenta os riscos de não sobreviver, porque será superada por concorrentes mais fortes.

Neste vídeo, Othederaldo fala sobre essas 4 Fragilidades e explica porque resolver todas elas é fundamental para a sua empresa. Assista o vídeo para aprender como “Para Entrar num Mercado Concorrido, Corrija 4 Fragilidades e Riscos da Empresa”

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

4 Fragilidades Que Quebraram Empresa em São Paulo

, , , ,

 

Praticamente 100% das empresas, especialmente as pequenas e médias, possuem 11 Fragilidades e Riscos que podem fazê-la quebrar.

Para evitar que um problema mais grave aconteça, a empresa precisa identificar onde estão localizadas suas fragilidades e corrigir todas elas. Não pode deixar nenhuma de fora.

Neste vídeo, Othederaldo conta uma história real, sobre uma empresa localizada em São Paulo, que fechou as portas porque foi incapaz de lidar com 4 fragilidades perigosas. Ela não conseguiu controlar os riscos envolvidos no negócio.

Trata-se de uma lanchonete, famosa no passado, que perdeu sua posição para a concorrência, tentou se reerguer, lutou como pôde, mas foi ultrapassada.

No final das contas, a empresa foi atingida pela A Fragilidade Financeira, porém o problema foi iniciado por causa de 3 outras fragilidades e riscos.

“Por Que 4 Fragilidades Quebraram Empresa em São Paulo?” A resposta você vai descobrir após assistir este vídeo.

Certamente as lições aprendidas aqui servirão para você não deixar que uma situação semelhante ocorra com sua própria empresa.

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

Evite Riscos – Descubra as Fragilidades da Sua Empresa Antes do Cliente

, , ,

 

É perigoso deixar que o outras pessoas descubram as fragilidades da sua empresa antes de você.

Imagine que um cliente perceba que sua empresa passa por dificuldades financeiras, mas você nem sequer notou que tem esta fragilidade.

Parece difícil de acontecer, porém é mais comum do que você imagina. E você corre o risco de que seus parceiros, fornecedores e até seus colaboradores notem as fragilidades da sua empresa.

É fundamental que você identifique e corrija as fragilidades e riscos da empresa antes que qualquer pessoa perceba que você foi atingido por elas.

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

Descubra As 2 Fragilidades Urgentes dos Empresários

, ,
Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

Cansei de Vender e Não Ganhar Dinheiro

 

CANSEI DE VENDER E NÃO GANHAR DINHEIRO

Você vende seus produtos, mas no final das contas não ganha dinheiro. A empresa, e você, não andam bem financeiramente.

Se for o seu caso, o que está acontecendo? Onde está o problema?

Uma das explicações é que você deve ter sido atingido pela Fragilidade da Venda.

Mas como assim? Se eu estou vendendo, como é que minha empresa tem a Fragilidade da Venda. É porque para escapar desta Fragilidade, você tem de vender dentro de 3 condições.

Neste artigo, vou lhe dizer que condições são essas e o que você fazer para resolver o problema.

Saiba que muitos empresários (Muitos Mesmo!) estão passando pelo mesmo problema. Eles vendem, mas nunca estão satisfeitos, porque a empresa não está sólida, apesar das vendas.

Vender não é tão difícil assim. O difícil é vender da forma certa, atendendo 3 condições essenciais.

A primeira condição é vender com regularidade. Se você vende, mas vende uma vez ou outra, não vai conseguir ganhar dinheiro de verdade.

A frequência das vendas é relativa e vai depender das características de cada empresa. A regularidade com que uma corretora de imóveis vende apartamentos de luxo, por exemplo, é diferente da frequência com que outra corretora vende casas populares.

Mas, em todos os negócios, é importante haver uma frequência bem definida. Pensa na sua empresa e verifique qual seria a frequência desejada para vender – e ganhar dinheiro – no seu caso.

Quantos clientes entram na empresa, ou quanto serviços novos são vendidos para o mesmo cliente, tudo o que possa ser traduzido em vendas deve entrar no cálculo da frequência com que as vendas ocorrem.

O segundo requisito para você não ter a Fragilidade da Venda é vender em volume significativo. Isso significa que a quantidade de dinheiro que entra na empresa precisa ser relevante. Se você vende, mas o volume financeiro é muito baixo, isso não vai resolver a Fragilidade da Venda.

De novo, o que é relevante ou não em termos de vendas vai depender da natureza do seu negócio.

Exemplo: a Livraria Cultura, tem um faturamento em vendas muito maior do que uma banca de revistas. Não dá para comparar! Porém, algumas bancas de revistas (por exemplo, aquelas localizadas na Av. Paulista, no coração financeiro de São Paulo) vendem bastante. Ou seja, nos dois casos, os volumes de vendas são elevados, apesar de diferentes entre si.

A terceira condição é vender com lucro. De nada adianta – será até pior – vender e dar prejuízo ao final. Vendas com prejuízo não são sustentáveis. Isso pode acontecer uma vez outra, para conquistar um cliente, por exemplo. Porém, a venda precisa dar lucro na grande maioria dos casos. Se você acumular déficits, além de perder o controle da Fragilidade da Venda, acabará acordando outra fragilidade perigosa, que é a Fragilidade Financeira.

Resumindo, vender com prejuízo, vender de vez em quando e vender muito pouco não vão lhe fazer ganhar dinheiro de verdade, nem mudar a vida da sua empresa. Chega um tempo que você cansa e desiste!

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

A Força Enorme da Empatia

, ,
CULTIVE EMPATIA COM SEU CLIENTE

Se um cliente se aproximar de você, olhe nos olhos dele, sorria, cumprimente-o com vontade, jamais seja indiferente. A empatia é uma forma poderosa de conquistar a confiança do cliente e de fazer ele gostar de você.

Quando você consegue chegar nesse ponto, passa a controlar 3 Fragilidades ao mesmo tempo: Do Cliente, da Venda e da Imagem. Nada mal, não é verdade? Afinal, são gestos simples e que não requerem esforço adicional

E lembre-se que é possível também sorrir pelo telefone, WhatsApp ou pelas redes sociais, não apenas pessoalmente. Por incrível que pareça, o cliente vai captar sua leveza e empatia, por mais distante que ele esteja fisicamente de você.

Mas tem uma regra elementar para a empatia funcionar: ela precisa ser legítima, de coração. Não pode ser algo forçado, feito apenas para ser educado. Não devemos confundir Empatia com Simpatia.

Na simpatia, você é agradável, polido, cortês. Todos esses gestos são fundamentais, mas com a empatia você vai além. Quando cultiva a empatia, você demostra um interesse genuíno pelo cliente, procura se colocar no seu lugar e sentir a mesma dor que ele sente. Você deseja o bem do seu cliente, quer resolver o problema dele, independentemente de qualquer outra coisa, inclusive do retorno financeiro.

A recompensa financeira virá, cedo ou tarde, é uma questão de tempo fique certo disso! E quando as receitas chegarem, serão mais sustentáveis, tendem a permanecer, porque um cliente atendido de modo tão especial dificilmente abandonará sua empresa.

Além do mais, suas vendas aumentarão. Caso você desenvolva empatia genuína com o cliente, ele passará a gostar de você, e se ele gostar de você, criará um vínculo emocional forte, aumentando bastante a possibilidade de comprar da sua empresa. Daí a importância de estabelecer empatia não apenas na hora da primeira venda, mas durante toda a prestação do serviço.

Segundo o livro As Armas da Persuasão, de Robert Cialdini, “Preferimos dizer ‘sim’ aos pedidos de pessoas que conhecemos e de quem gostamos“. Ainda citando o livro, é impressionante saber que “Na decisão de compra do produto, a força desse vínculo social é duas vezes maior do que a preferência pelo produto em si.

Dá para perceber o poder da empatia? Portanto você tem também esse desafio quando se relaciona com o cliente. Seja paciente, ponderado e flexível com cliente, ouça bem suas necessidades e nunca seja arrogante e dono da verdade.