Riscos e Fragilidades Que Você Não Enxerga

Você sabe qual é o seu pior inimigo? É aquele que você não vê, que está bem escondido na sua empresa, dentro ou mesmo fora dela.

Porque só existe uma maneira de você combater uma ameaça, que é descobrir onde está localizada a ameaça. Se você não sabe onde está o inimigo, ele pode lhe pegar quando você está distraído

A questão é que certos problemas são mais fáceis de resolver, enquanto outros nem tanto. Por exemplo, é fácil saber que a Internet da empresa está lenta, e que isso pode prejudicar o atendimento do seu cliente, assim como afetar a produtividade dos seus colaboradores.

Nesse caso, você já localizou que a empresa tem uma fragilidade na rede de comunicação, e fica mais simples buscar alternativas para resolver a falha.

Mas o problema é que existem riscos que você simplesmente não consegue ver, e são exatamente essas fragilidades que podem lhe derrubar.

Talvez você tenha dificuldades, por exemplo, para selecionar e treinar os seus colaboradores, de forma a deixar eles prontos para atender os clientes.

Já notou, quando você vai a um restaurante, uma lanchonete ou uma loja qualquer, que alguns funcionários atendem tão bem que se comportam como se fossem os donos? Enquanto em outros locais os funcionários parecem estar lá por obrigação, porque alguém mandou eles fazerem aquele trabalho.

No 2º caso, a empresa parece ter fragilidade para selecionar e treinar os colaboradores.

E sabe o perigo? Como os clientes não reclamam – porque a maioria não reclama, simplesmente não volta ao local – você terá dificuldade para identificar essa fragilidade na gestão do colaborador. É uma fragilidade escondida. E se você não percebe, não resolve o problema.

Já a 1ª empresa, que atende muito bem os clientes, parece ter descoberto como corrigir a Fragilidade do Colaborador.

Aqui estou falando de um único exemplo, mas existem muitas outras fragilidades e riscos que podem estar escondidos na sua empresa. São 11 as Fragilidades mais perigosas.

Como saber se você tem dificuldades para decidir corretamente, para controlar suas finanças, para manter a empresa atualizada tecnologicamente, para atender os clientes bem a vida inteira. Como descobrir se sua empresa tem essas e outras fragilidades, que podem estar disfarçadas?

Só tem um jeito de você descobrir: mapear, com precisão, onde há riscos e fragilidades em todas as partes da sua empresa.

Segundo o método que eu ensino, praticamente 100% das empresas possuem 11 Fragilidades específicas, que são muito perigosas. As Fragilidades lhe impedem de crescer e, pior ainda, podem fazer você quebrar mais na frente, mesmo depois de uma boa fase de crescimento.

Você só se sentirá confiante e mais tranquilo como empresário, quando estabelecer ações para corrigir todas essas fragilidades. Mas, primeiro você precisa identificar com clareza onde elas estão instaladas, combinado?

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

Sua Empresa Vale o Risco Que Você Está Correndo?

,
https://youtu.be/x-CuwxCWiOI

Quando você decide entrar abrir uma empresa ou entrar num novo negócio, o que é que você avalia em primeiro lugar?

Bem, normalmente é se o negócio é lucrativo e se você vai ganhar dinheiro com ele. Porque se não for, para quê desperdiçar tempo e energia? Como empresário, você vai investir onde acredita que terá um bom retorno.

Porém, além do lucro e do potencial de faturamento do negócio, existe uma outra variável que você precisa levar em conta sempre. Neste vídeo você vai saber que variável é esta e porque ela é vital para a sua empresa.

E a variável é o risco envolvido na transação que você pretende desenvolver. Sim, e o risco não apenas para sua empresa, mas também para você pessoalmente.

Mesmo que você seja um empresário experiente, quando você decide entrar numa operação nova com sua empresa, precisa avaliar os riscos envolvidos. Sabe por que isso é tão importante?

Porque mesmo que o negócio seja altamente lucrativo, mesmo assim pode não valer a pena. Melhor dizendo, pode não valer o risco. Porque alguns riscos, quando acontecem, causam prejuízos enormes a sua empresa.

Vou lhe dar um exemplo, ou melhor dois exemplos, para isso ficar mais claro, um deles que aconteceu com minha empresa no passado.

Eu tenho uma empresa de tecnologia e, numa determinada época, nós assinamos um contrato com um grande banco, para fornecer um software que controlava parte crítica da operação do banco.

Sob o ponto de vista financeiro, o contrato era excelente. O faturamento anual, em números atuais, era de R$ 600.000,00. O problema é que se o sistema saísse do ar, pagaríamos uma multa de R$ 50.000,00 reais por dia. Sim, você não entendeu errado: R$ 50.000,00.

A multa era tão alta porque o sistema que fornecíamos era realmente crítico, e o banco teria prejuízos se o sistema falhasse. Nós assinamos o contrato porque era muito tentador, apesar do risco altíssimo. Felizmente nunca houve nada grave, ou talvez minha empresa não estive viva.

Um segundo exemplo: quando uma grande empresa lhe convida a ser um fornecedor exclusivo, os ganhos tendem a ser grandes, mas os riscos também. Isso porque se a grande empresa tiver problemas, e parar de lhe abastecer, ou se você não for capaz de cumprir os acordos que combinou, ela pode lhe tirar da jogada rapidamente e, sem outras opções, você vai ficar sem nada, e quebra.

São dois bons exemplos que mostram a necessidade de você avaliar bem riscos envolvidos.

Eu não estou defendendo ou condenando um ou outro negócio. Você conhece bem seu mercado e sabe onde está pisando. A minha orientação é como especialista em riscos e fragilidades das empresas. Avalie sempre os riscos (aquilo que você pode perder) envolvidos nos negócios em que você está entrando, e não olhe apenas as receitas e lucros.

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

Descubra As 2 Fragilidades Urgentes dos Empresários

, ,
Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

DIRIGIR UMA EMPRESA FRÁGIL É MUITO ARRISCADO

,

Viver com fragilidade é perigoso. Porque então correr o risco de ter um problema mais grave, se você já descobriu que sua empresa tem fragilidades bem perigosas?

Por exemplo, se você já percebeu que as vendas estão indo de mal a pior, porque insistir no erro? Seria mais lógico resolver logo a fragilidade. Porque nenhuma empresa não vai longe com a Fragilidade da Venda.

Neste artigo, vou lhe explicar porque você não deve correr o risco de conviver com as fragilidades que você já descobriu que existem na sua empresa.

Para ficar mais claro porque as fragilidades são traiçoeiras, imagine que elas são como rachaduras. Sabe aquelas rachaduras que aparecem na parede de casa, ou na coluna de um edifício? O que pode acontecer se você não consertar essa rachadura?

Bem, pode não ocorrer nada durante muito tempo, porém há o risco alto de acontecer o pior.

Sua empresa também fragilidades, que ficam escondidas, quietinhas, parecem inofensivas, mas podem rachar de uma hora para outra, quando você menos espera.

E as fragilidades racham por 2 motivos.

O primeiro deles é devido a algum contratempo interno na empresa, que faz a fragilidade estalar.

Voltando à Fragilidade da Venda que falamos no início, imagine que seu melhor vendedor, num momento em que você não está vendendo bem, pede as contas. O que era ruim então tende a ficar pior, com a saída do vendedor da sua empresa.

Mas o problema surge também por um segundo motivo: devido a fatores externos, que estão fora do seu controle. Por exemplo, se a crise econômica que o país vem passando se agravar, suas vendas vão cair ainda mais… e Fragilidade da Venda corre o risco de lhe derrubar.

Outro fator externo que pode lhe prejudicar é o aparecimento de um concorrente forte, que rouba os seus clientes.

E, sem exagero, os dois motivos acima têm força suficiente para quebrar sua empresa.

Em mais de 30 anos prestando consultoria para empresas diversas, eu vi inúmeros casos de empresários que quebraram porque não corrigiram a tempo suas fraquezas internas.

O risco de conviver com fragilidades é sempre elevado, lembrando que você coloca em risco não somente sua empresa, mas também seus bens pessoais, e sua família pode sofrer as consequências.

O segredo é você corrigir todas as fragilidades, que são 11. Você não deve deixar nenhuma das 11 Fragilidades sem conserto, não deve negligenciar qualquer uma delas, achando que você está seguro. Você só estará seguro quando resolver as fragilidades internas.

E o método que eu ensino facilita muito a sua vida nesse sentido, porque determina exatamente quais são as fragilidades que você precisa corrigir e explica em detalhes como fazer isso.

Portanto, não há razões para você correr o risco de conviver com fragilidades instaladas na empresa, achando que nada vai acontecer. Proteja o seu negócio.

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

 

 

A MAIOR VANTAGEM DO MÉTODO “AS 11 FRAGILIDADES”

Você sabe qual é a maior vantagem do método que eu ensino? Qual é principal benefício que ele traz para você e sua empresa?

E, para não deixar dúvidas, eu estou me referindo ao método “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa”. Para divulgar o método de forma ampla, eu publiquei um livro E realizo mentoria para empresários de setores diversos.

Corrigir os pontos fracos da sua empresa é essencial. Não adianta reforçar apenas aquilo que você tem de bom.

Se você deixar de seguir essa regra básica, terá dificuldades para crescer e, muito pior, corre o risco de fechar as portas. Porque nenhuma empresa dura muito tempo com fragilidades perigosas.

E o método das “11 Fragilidades” orienta como fazer isso na prática, o que gera um benefício enorme para você, que tem um negócio.

Mais uma pergunta importante: o que diferencia esse método de outras abordagens que existem no mercado?

Neste artigo, você vai descobrir essas respostas.

E a vantagem Número 1 do método “As 11 Fragilidades” é que ele estabelece um escopo bem delineado daquilo que você precisa resolver na empresa.

Porque você já entendeu que sua empresa tem fragilidades, e que você deveria se livrar delas para não correr o risco de ter um problema mais sério.

Mas o que maioria dos empresários desconhece é quais são exatamente as fragilidades que precisam ser ajustadas. Existe uma prioridade para tratar elas?

É onde o método se mostra tão valioso, porque ele aponta que são 11 Fragilidades que devem ser tratadas, nem mais nem menos. Não são, portanto, 18, 20 ou 30 fragilidades, são 11. Mas também não são 7, 5 ou 10 fragilidades, novamente, são 11.

Isso facilita bastante sua vida, pois além de você conhecer o número certo de fragilidades que deve olhar, o método aponta quais são exatamente os 11 maiores perigos da empresa.

Isso significa que mesmo que uma determinada fragilidade esteja lhe incomodando mais hoje, você jamais deve desprezar as demais. Pelo contrário, todas devem ser examinadas.

Aquilo que parece firme, pode rachar a amanhã e prejudicar sua empresa, simplesmente porque você não enxergou os pontos fracos que estavam disfarçados.

O que posso lhe dizer é que se você seguir o método, suas chances de sucesso como empresário aumentam bastante, muito mais do que você imagina.

Então, o que você está esperando? Aplique o método e proteja sua empresa.

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

 

 

RISCOS E FRAGILIDADES SÃO PROBLEMAS DIFERENTES

,

Riscos e Fragilidades são coisas diferentes. Entender a diferença entre os dois é essencial para a sobrevivência do seu negócio.

Hoje você vai saber o que distingue Risco de Fragilidade e como isso vai lhe ajudar no crescimento do seu negócio.

Tanto Risco como Fragilidade causam danos e prejuízos a sua empresa e, em alguns casos, também a você diretamente. Nesse aspecto, eles são iguais.

Porém, Risco e Fragilidade são muito diferentes num determinado ponto:

Risco é um evento futuro, que pode acontecer ou não. Quer dizer, há sempre um grau de incerteza quanto ao risco virar realidade. Porque se você tem certeza que ele vai acontecer, ou mesmo se ele já se materializou, não se trata mais de um risco e sim de um problema, um fato concreto.

Por exemplo, uma coisa é você perceber que sua empresa está correndo o risco de entregar um serviço importante com atraso para o cliente. Mas se o atraso já ocorreu, não se trata mais de risco e sim de um problema ocorrido. O risco agora é o do cliente ficar bravo com você por causa do atraso.

Já Fragilidade é algo no presente e não no futuro (caso do risco). É uma fraqueza interna da empresa, uma rachadura na estrutura que pode lhe derrubar no chão.

Exemplo: imagine que você, o dono da empresa, não gosta muito de vender, você acha que não leva jeito para vendedor. O que você gosta mesmo é de desenvolver os produtos, de prestar os serviços e atender diretamente o cliente.

Se isso for verdade, eu preciso lhe dizer que você tem um problema instalado, porque sua empresa tem uma fragilidade grave, que é a Fragilidade da Venda. Isso porque numa pequena e média empresa o principal vendedor deve ser você.

Vender é tarefa que não deve ser delegada para ninguém. É claro, sua empresa pode ter vendedores, mas o principal deles deve ser você, ou dificilmente a empresa vai crescer de verdade.

Essa então é a grande diferença entre Risco e Fragilidade: o primeiro é futuro e o outro, presente. Os dois precisam ser tratados na hora certa e utilizando um método adequado.

E como você bem sabe, porque vem acompanhando meus conteúdos, são 11 Fragilidades que você precisa corrigir. Que elas estão presentes não tenha mais dúvidas, porque elas estão lá, infiltradas na sua empresa.

O que você tem de fazer para proteger o seu negócio é localizar as 11 Fragilidades e tratar todas elas, para não ser pego desprevenido, pondo em perigo seu patrimônio.

CONTENHA TODAS AS FRAGILIDADES, SEMPRE

Nunca relaxe, mesmo quando tudo parece caminhar bem na sua empresa. Lembre-se: as empresas em geral (é provável que a sua não seja diferente) possuem 11 Fragilidades e Riscos que precisam ser observados todo o tempo.

Ainda que você acredite que está imune a uma determinada Fragilidade, ela pode rachar de repente, simplesmente porque você se descuidou dela. As 11 Fragilidades são como as pilastras que sustentam sua empresa.

Se você não mantiver todas firmes, uma delas pode ruir e derrubar sua empresa. O segredo é nunca se sentir seguro, sempre corrigindo os seus pontos fracos.

 

“A melhor maneira de ficar em segurança é nunca se sentir seguro. “, Benjamin Franklin.

QUANDO A FRAGILIDADE LHE ATINGE DE JEITO, PODE SER TARDE.

As 11 Fragilidades da sua empresa são como rachaduras, que vão se estendendo lentamente, muitas vezes sem você perceber. Quando você abre os olhos para o problema, já era, a Fragilidade lhe derrubou.

Para se livrar desse perigo, é fundamental ouvir os sinais de que a empresa não anda bem, e aprender as lições para corrigir as fragilidades.

 

“A vida dá lições que só se dão uma vez”, Wiston Churchill

RESOLVA AS 11 FRAGILIDADES

O segredo para crescer e tornar seu negócio sólido financeiramente é corrigir os seus pontos fracos, as 11 Fragilidades da empresa, todas elas, sem exceção.

Se alguma Fragilidade ficar de fora, ela pode rachar e derrubar sua empresa de repente. Além do mais, quando uma única Fragilidade racha, ela sobrecarrega as demais, que acabam não suportando o peso e trincam também. Essa reação em cadeia gera grandes prejuízos e comprometem a estrutura da sua empresa rapidamente. Muitas vezes, você nem sequer tem tempo de reagir e termina fechando as portas.

Por outro lado, se você persistir e consertar as 11 Fragilidades, suas chances de sucesso aumentam bastante.

 

“Um negócio é tão bom quanto a soma das suas partes, o que significa que não podemos nos dar ao luxo de ter partes fracas”, Robert Heller.

AS 5 LIÇÕES DE GESTÃO DE RISCOS QUE VOCÊ PRECISA SABER

,

Você sabe controlar os riscos da sua empresa? A palavra risco é parte do seu vocabulário como empresário. Você lida com riscos o tempo inteiro, mesmo que muitas vezes nem perceba que está fazendo isso.

Porém, talvez você não saiba como administrar os riscos da melhor forma. E ter esse conhecimento é vital para o seu negócio, para que amanhã você não seja apanhado por um problema em função de riscos que você desconhecia

Por esse motivo, eu vou lhe falar de 5 lições sobre gerenciamento de riscos, para você utilizar na administração do seu negócio. Você também vai saber o que sua empresa e você ganham com isso.

A primeira lição é que Risco é um evento que pode ou não acontecer, num futuro breve ou mais distante. Todo risco tem um grau de incerteza. Se você tem certeza de que a situação vai acontecer, não é mais um risco e sim um fato concreto. Os riscos acontecem tanto na sua vida pessoal quanto na sua empresa.

Por exemplo, existe o risco de pegarmos um resfriado nos próximos 3 meses, mas certeza mesmo não dá para ter. Se eu já estou resfriado, já é um fato, e não mais um risco.

Vamos agora falar da sua empresa: alguns riscos estão sempre presentes em qualquer empresa, por exemplo, o risco de você perder um cliente, o risco de não bater as metas de vendas, o risco de ficar sem dinheiro para pagar as despesas. Em todos esses casos, não há 100% de certeza que acontecerão, correto? São sempre possibilidades, que podem ser maiores ou menores.

A segunda lição é que sempre que um risco vira realidade, ele normalmente vai lhe causar algum dano, prejuízo (se não financeiro, de outra natureza). Um risco, portanto, está associado a uma consequência negativa para sua empresa e, por isso mesmo, precisa ser controlado.

Voltando ao caso do resfriado, se ele lhe pegar, você pode ficar de cama, indisposto. No caso da sua empresa, se o risco de você perder um cliente importante acontecer, você perderá faturamento, o que dificultará seu fluxo de caixa no dia a dia.

Existem situações em que os riscos podem ser oportunidades, ou seja, geram um impacto positivo ou invés de negativo. Mas isso será tema de outra matéria, porque requer mais explicações.

Terceira lição: os riscos podem ser previstos ou imprevistos. Previsto não quer dizer que o risco é certo, lembre-se que sempre há um grau de incerteza. Porém, alguns riscos são mais fáceis de você imaginar, de antever, com base na sua experiência de empresário.

Por exemplo, atrasar a entrega de um projeto para o cliente é sempre um risco previsto. Por mais que você se esforce, a possibilidade de atraso existe, pois há variáveis fora de controle, por exemplo: um funcionário pede demissão, suas estimativas de tempo estavam erradas etc.

O lado bom dos riscos previstos é que você pode se antecipar e estabelecer medidas para lidar com eles, para não ser pego desprevenido.

Já os riscos imprevistos, não são percebidos por você facilmente, porque a probabilidade de eles acontecerem é baixa, são riscos raros. O problema é que eles causam grandes prejuízos quando ocorrem, e por isso mesmo são perigosos. E como você não se prepara para eles, pegam você desprevenido, sem dar dá tempo para você reagir.

Por exemplo, um imprevisto seria a possibilidade de sua empresa perder 50% dos clientes. Na sua cabeça isso é tão pouco provável que não entra no seu campo de visão, mas é uma situação inteiramente possível.

A quarta lição, uma das mais importantes, é que os riscos têm duas variáveis-chave que servem para você calcular o impacto do risco para sua empresa.

A primeira variável é a Probabilidade do Risco acontecer ou não. Você deve classificar a Probabilidade de 1 a 4, numa escala assim: Baixa (1), Média (2), Alta (3), Muito Alta (4).

A segunda variável é o Impacto do Risco. Você já sabe que o risco vai causar um impacto negativo, mas qual o tamanho do impacto na sua empresa? O Impacto deve ser classificado numa escala de 1 a 4, semelhante ao que você fez para a Probabilidade.

Para calcular o risco final, você multiplica a Probabilidade pelo Impacto. Em seguida, você decide as medidas que vai tomar para reduzir a Probabilidade do risco acontecer, ou para diminuir o Impacto do risco na empresa, caso ele ocorra.

Se o risco daquele resfriado existe, você pode reduzir a possibilidade dele chegar, por exemplo, dormindo 7 a 8 horas diariamente, alimentando-se bem, praticando exercícios. Mas, como sabemos que não dá para controlar totalmente um resfriado, você pode tentar controlar o impacto do resfriado, por exemplo, tomando uma vacina.

Pensando na empresa, se você detectou que vai perder clientes, porque a crise econômica se agravou, pode se antecipar, por exemplo, oferecer um desconto voluntário nos preços para segurar o cliente.

A quinta e última lição: o que você ganha exatamente com o gerenciamento de riscos?

A partir das dicas acima, você já percebeu que terá grandes benefícios, sendo o maior deles enxergar com antecedência os riscos que afetarão negativamente a sua empresa.  Ninguém quer ser pego desprevenido, e um bom controle dos riscos permitirá que você aviste na frente problemas e se prepare para lidar com eles.

Depois que o risco acontecer, já era, o prejuízo está feito. O segredo é você identificar os risco antes, calcular a probabilidade e o impacto deles e, com isso, já estabelecer medidas para não ser pego desprevenido.