O que é mentoria empresarial – Quando contratar uma mentoria

,

Alguma vez você já ouviu falar em mentoria empresarial? Além disso, sabe quando contratar uma mentoria? Ainda não? Pois fique sabendo que ter em mente todas essas coisas é fundamental para que você, como empresário, consiga resolver todos os problemas da sua empresa.

Tenha sempre em mente que não contar com a ajuda de um mentor na hora certa pode trazer consequências ruins para o seu negócio. Já lhe adianto que a hora certa de contratar uma mentoria é quando a sua empresa está passando por alguma dificuldade há algum tempo e você não consegue enxergar qual a melhor maneira de resolver o problema.

Mas, por que uma mentoria ajuda sua empresa crescer? Qual a importância de contar com esse tipo de ajuda? Assista ao vídeo a seguir para saber mais sobre esse assunto!

QUANDO CONTRATAR UMA MENTORIA

A hora certa de contratar uma mentoria

Como você observou ao longo do vídeo, a melhor hora para receber uma mentoria é quando a empresa está passando por um problema ou um incômodo muito grande que você não sabe como resolver. Mas, afinal, como eu sei de tudo isso?

É simples: por experiência própria. Eu tanto dou mentoria para pequenos e médios empresários como também recebo mentoria para ajudar o meu negócio a crescer de forma saudável. Dessa forma, não se esqueça de que a melhor hora de contratar um mentor é exatamente quando a empresa está passando por alguma dificuldade e você, como empresário, não consegue solucioná-la.

Ou seja, ter alguém de fora para te ajudar a sair daquele problema que você está percebendo que não é possível resolver sozinho é realmente muito importante. Embora alguns empresários ainda não consigam enxergar porque uma mentoria ajuda sua empresa a crescer, é preciso saber que ela faz sim muita diferença dentro do seu negócio, e abaixo você vai entender como.

Como uma mentoria ajuda sua empresa a crescer

Levar alguém de fora para observar e avaliar os problemas da empresa pode fazer muita diferença. Isso acontece porque você e todos os seus colaboradores, por estarem dentro da empresa a quase todo o momento, não são mais capazes de enxergar algumas dificuldades importantes.

Sendo assim, ao contar com a ajuda de um mentor para saber o que não está funcionando adequadamente e, além disso, para saber como resolver esse problema, é a melhor maneira de se ver longe das principais dificuldades em um tempo menor.

Um mentor especializado consegue avaliar tudo aquilo que está acontecendo dentro da empresa com outros olhos. É exatamente por isso, por não estar todo dia dentro daquele lugar, que ele consegue perceber o que realmente não está saindo conforme o planejado.

No entanto, quais são os problemas que uma mentoria é capaz de observar e de resolver? Para saber mais sobre isso, é só continuar acompanhando este artigo até o final!

Fragilidades financeiras e da venda

Em primeiro lugar, a mentoria é muito bem vinda, principalmente, quando a empresa está sem dinheiro há bastante tempo. Quer dizer, muitas vezes a empresa cresce, mas cresce de maneira instável: ela vende um dia, no outro dia já não vende, vende bem em um mês e no outro praticamente as vendas não acontecem.

Além disso, existe outra situação: a empresa vende muito, mas você não consegue fazer com que sobre dinheiro no final do mês. E sabe o que parece? Que tudo aquilo que você vende não está tendo lucratividade suficiente para deixar dinheiro na empresa.

Isso porque, apesar de estar trabalhando muito, você continua – como empresa – sem conseguir ganhar dinheiro. E isso acaba indo muito além, afinal, sem dinheiro também não é possível pagar seus colaboradores e tudo só vai piorando.

Entendeu um dos principais motivos que fazem com que empresários comecem a pensar na possibilidade de trazer alguém de fora para ajudar o negócio? Mas não é só isso.

Outros problemas

Além das fragilidades financeiras e da venda, existem ao todo 11 fragilidades e riscos que podem derrubar a sua empresa e que, consequentemente, fazem com que a ajuda de um mentor seja necessária.

Só para ter uma ideia, não conseguir atender bem os seus clientes e não conseguir selecionar os colaboradores da forma correta são outras duas dores que também estão presentes em muitas pequenas empresas. Mas, é só isso ou tem mais?

É claro que tem mais! Nunca se esqueça de que um negócio é diferente do outro, sendo assim, os problemas também são diferentes, apesar de envolverem praticamente as mesmas situações no geral. Muitas vezes, a empresa não conseguir se atualizar tecnologicamente é também um motivo para contratar um mentor.

De qualquer forma, eu diria que a dor relacionada à falta do dinheiro é determinante para você decidir se é necessário contratar ou não uma mentoria. É nessas horas que você chega a uma situação, em um ponto quase insuportável, no qual a empresa começa até mesmo a diminuir de tamanho, porque quem não cresce desaparece.

Entendeu agora quando contratar uma mentoria e por que ela é tão importante para sua empresa? Como expliquei antes, eu dou mentoria e por isso posso ajudar de fato a descobrir quais são as principais fragilidades que estão atingindo e atrapalhando a sua empresa.

Dessa forma, as fragilidades financeira, da venda, do cliente, do colaborador e do gestor podem realmente causar um impacto negativo no seu negócio. Entretanto, no total existem 11 fragilidades que derrubam sua empresa. Para corrigir todas elas e fazer sua empresa crescer rápido, inscreva-se para uma Mentoria Gratuita no link: http://as11fragilidades.com.br/mentoria/

Você já viveu momentos como esses dentro da empresa e conseguiu superar? Ou está passando por isso agora? Já precisou contratar uma mentoria alguma vez? Como foi a sua experiência? Conta para mim aqui nos comentários! Além disso, não deixe de se inscrever no meu canal do YouTube para receber mais dicas de como evitar as 11 fragilidades e riscos que fazem tanto mal para sua empresa. É só clicar no link: http://bit.ly/CanalOthederaldo.

Porque as pequenas empresas quebram – 5 motivos (Urgente)

,

Você sabe dizer por que as empresas quebram? Principalmente as pequenas e as médias? Infelizmente isso acontece com grande frequência. As fragilidades financeiras, da venda, do cliente, do colaborador e do gestor podem trazer um impacto realmente grande.

Ou seja, existem cinco motivos principais que justificam porque as pequenas empresas quebram. Sendo assim, será que saber como ter solidez financeira, como atender bem o cliente, como contratar um funcionário e como gerenciar a empresa pode fazer a diferença?

É exatamente isso que você vai acompanhar de forma detalhada no vídeo a seguir. Portanto, esteja bem atento, certo?

VÍDEO: PORQUE AS EMPRESAS QUEBRAM – 5 MOTIVOS

Porque as empresas quebram

Como mostrado ao longo do vídeo, os cinco fatores que fazem com que pequenas e médias empresas quebrem, não atuam sozinhos, muito pelo contrário! É claro que somente um deles, isoladamente, já é capaz de quebrar o seu negócio. No entanto, a partir do momento em que eles atuam em conjunto, esse potencial fica ainda maior.

Mas, como assim? É simples: se você já não tem dinheiro e ainda por cima não consegue vender, a dificuldade aumenta muito e o estrago vai ser muito maior do que se apenas um desses fatores agisse sozinho. Ficou mais claro agora?

Para saber mais sobre cada uma dessas dificuldades que podem fazer com que sua empresa quebre, continue acompanhando este artigo.

Dificuldade financeira

Uma das primeiras dificuldades que fazem uma pequena ou média empresa quebrar é a dificuldade financeira, ou seja, o risco financeiro. Isso porque um pequeno empresário, na maioria das vezes, abre um negócio não porque tinha dinheiro sobrando, mas sim porque teve uma grande ideia e quis explorá-la com o objetivo de ganhar dinheiro.

Esse foi o seu caso ou não? Pode ser que você tenha começado uma empresa porque estava com poucos recursos ou quem sabe até perdeu a antiga empresa e hoje conta com o novo negócio para conseguir sobreviver. No entanto, qual é o problema disso?

Infelizmente, o problema está no fato de que ao abrir uma empresa dessa forma é difícil de fazer os investimentos necessários para que o negócio cresça de forma saudável. Em outras palavras, fica mais complicado saber como ter solidez financeira.

Dificuldade do empresário em vender

A segunda dificuldade que faz uma pequena empresa quebrar pode complicar ainda mais a primeira. Sabe qual é ela? É a dificuldade do empresário em vender. Normalmente, um pequeno empresário possui um perfil mais técnico e, dessa forma, ele não aplica muitos esforços para vender os produtos e serviços.

Isso acontece porque o empresário acredita que se o produto for muito bom, os clientes vão bater na porta dele espontaneamente. Mas, atenção, isso raramente acontece! Você, como pequeno empresário, precisa sim saber como vender, mesmo que essa não seja a sua função na empresa, certo?

Dificuldade no atendimento ao cliente

Por sua vez, a terceira dificuldade está relacionada ao atendimento ao cliente, já que em grande parte das vezes um pequeno empresário conta com um processo mais informal no atendimento ao cliente. Ou seja, é compreensivo, simpático, gentil, cria uma proximidade com o cliente, entre outras coisas.

É claro que isso tudo é importante, no entanto não é o suficiente. Você precisa ter processos mais estruturados, mais profissionais de atendimento ao cliente. Não pode apenas contar com essa informalidade. Afinal, se você vende e não atende bem, qual cliente que vai voltar a comprar seus produtos? É preciso saber como atender bem o cliente!

Dificuldade na contratação de colaboradores

Já a quarta dificuldade tem relação com a contratação dos seus colaboradores. Lidar com a gestão dos funcionários não é nada fácil, pode ter certeza disso. Tenha em mente que é necessário saber como contratar um bom funcionário, selecionar com cuidado e depois de tudo, treinar, reciclar e manter os colaboradores na sua empresa.

E essa é outra dificuldade enorme que uma pequena empresa tem. Se você não contrata colaboradores, como é que você vai entregar os serviços e os produtos que você vendeu? Como vai atender seus clientes?

Dificuldade na administração do negócio

Por fim, a quinta e última dificuldade que faz uma pequena empresa quebrar está relacionada com administração do negócio. Como já mencionado anteriormente, é comum que o perfil de um pequeno empresário seja mais técnico e, portanto, ele não tem uma vivência com a área de administração de empresas.

Quando a empresa é pequena é até possível ir levando, mas e quando ela cresce? A partir do momento em que ela começa a crescer mais, a coisa complica e muitas vezes você acaba perdendo o controle da situação e não consegue administrar o negócio, o qual termina realmente quebrando. A administração é vital.

Dessa forma, as fragilidades financeira, da venda, do cliente, do colaborador e do gestor podem realmente causar um impacto negativo no seu negócio. Entretanto, no total existem 11 fragilidades que derrubam sua empresa. Para corrigir todas elas e fazer sua empresa crescer rápido, inscreva-se para uma Mentoria Gratuita no link: http://as11fragilidades.com.br/mentoria/

Além disso, para ver mais dicas de como fazer a empresa crescer, inscreva-se agora mesmo em meu canal no YouTube por meio do link: http://bit.ly/CanalOthederaldo.

Como atender bem o cliente, com bons funcionários (real)

É provável que você já saiba que tanto a fragilidade do cliente quanto a fragilidade do colaborador podem prejudicar a sua empresa, não é mesmo? Afinal, ambos são realmente importantes para fazer com que a empresa cresça de forma saudável.

No entanto, como recrutar um funcionário bom e como atender bem o cliente? Será que o segredo do sucesso está no funcionário como pessoa ou está no treinamento que ele recebe pela empresa para se tornar cada vez mais capacitado?

Acompanhe o vídeo a seguir e fique por dentro da dificuldade que muitas empresas têm na questão do atendimento ao cliente e, dessa forma, previna que isso aconteça na sua também:

VÍDEO: COMO ATENDER BEM O CLIENTE, COM BONS FUNCIONÁRIOS

Como fazer a empresa crescer

Em primeiro lugar, para fazer a empresa crescer é necessário melhorar o atendimento ao cliente. Afinal, em grande parte é ele quem mantém sua empresa, certo? Mas então, como é possível fazer isso? Existe alguma fórmula que faz sucesso entre as pequenas e médias empresas?

Infelizmente, não! Como cada organização possui suas especificidades, é importante estar atento a todos os detalhes a fim de melhorar cada vez mais a maneira de como atender bem o cliente. Uma dica que pode ajudar e muito é contar com a ajuda de serviços terceirizados para algumas áreas da empresa.

É claro que isso não é possível em todos os casos, mas você, como empresário, já pensou em focar naquilo que sua empresa faz de melhor e deixar alguns serviços nas mãos de empresas terceirizadas? Por exemplo, no caso de um hotel, como falo no vídeo, que tal fazer os serviços de hotelaria e deixar que o restaurante seja cuidado por uma empresa especializada no assunto?

Isso com certeza pode proteger o seu negócio e fazer com que ele saia na frente dos concorrentes!

Atendimento ao cliente

Além da terceirização, é necessário dar uma atenção muito grande ao atendimento ao cliente oferecido pela empresa. Afinal, o que é melhor para aumentar as vendas da sua empresa do que tratar o cliente bem e mostrar que ele é realmente importante para o seu negócio?

É claro que para isso é fundamental estar atento a alguns aspectos, principalmente naqueles ligados aos seus funcionários. Não se esqueça de que na maioria das vezes não será você, como empresário, que irá atender diretamente o cliente. Se for uma pequena empresa com poucos colaboradores, isso até pode acontecer.

Mas, agora vamos levar em consideração que são os funcionários que fazem o atendimento ao cliente em sua empresa. O que é necessário para que eles realmente façam o serviço da forma adequada? Como você e sua empresa podem influenciar em tudo isso? É simples! Basta estar atento nos processos de como contratar um bom funcionário! Entretanto, como fazer isso?

Como recrutar funcionários

A primeira etapa para contratar um bom funcionário é fazer o recrutamento. Em algumas empresas, essa parte é feita por meio de indicações dos próprios colaboradores do local. Por exemplo, abriu uma determinada vaga e, ao invés de pedir que as pessoas mandem currículos, a empresa pede para que seus funcionários indiquem pessoas para essa vaga.

Isso permite que as pessoas que possuem um perfil mais compatível para aquele momento sejam indicadas, o que acaba facilitando e muito o processo de recrutamento dos funcionários. Dessa forma, a rede de contatos, também conhecida como networking, ajuda muito nessa fase da contratação.

Ou seja, recrutar é o primeiro processo para fazer a gestão dos funcionários da sua empresa e, consequentemente, melhorar o atendimento ao cliente.

Como selecionar e treinar os funcionários

A próxima fase, após o recrutamento dos funcionários, é a seleção. Mas, o que isso significa? Significa que uma determinada pessoa, após ter sido recrutada, passa por uma entrevista a fim de que seja analisado se ela realmente possui o perfil para a vaga que está disponível.

Depois disso, chega a fase do treinamento. Não adianta você contratar uma pessoa boa, fazer uma série de entrevistas que confirmem que aquela pessoa é certa ou não para o cargo e depois não capacitá-la. Lembre-se de que qualquer funcionário novo precisa se adaptar aos padrões de funcionamento da empresa.

Afinal, nenhuma empresa é igual a outra. Então é preciso treinar. Você, como empresário, tem que treinar muito bem seus colaboradores o tempo inteiro, essa é outra lição importante para fazer a empresa crescer. Portanto, ter em mente como selecionar funcionários e como fazer o treinamento deles são fatores fundamentais para a empresa.

Como motivar os funcionários

Por fim, para que o atendimento ao cliente seja bom, é necessário também saber como motivar os funcionários. Esse é outro ponto importante. Você precisa criar em sua empresa um ambiente em que o colaborador se sinta bem, queira crescer e permanecer ali por muito tempo.

E como é possível fazer isso? É preciso trabalhar em torno de um processo de motivação. É necessário descobrir como fazer o funcionário se sentir bem no ambiente da empresa. Porque não adianta você contratar o melhor colaborador do mundo se ele não se adaptar à cultura da empresa. Caso isso não aconteça, ele vai embora.

Sendo assim, como você observou, a fragilidade do cliente e a fragilidade do colaborador fazem parte das 11 fragilidades que derrubam sua empresa. Infelizmente, elas podem prejudicar o seu negócio a qualquer momento. Por isso é importante entender melhor cada uma delas. Para isso, acesse meu livro pelo link: http://livro.as11fragilidades.com.br/.

Quer conferir mais dicas importantes de como aumentar as vendas e o sucesso do seu negócio? Então não deixe de se inscrever o quanto antes em meu canal no YouTube e fique por dentro de assuntos relacionados a como treinar os funcionários, entre muitos outros. Basta clicar no link a seguir: http://bit.ly/canalothederaldo

Como tomar decisões na empresa – 2 estilos de decisão

Você consegue dizer qual o seu estilo de decisão? Ou seja, como é que você decide na sua empresa? Prefere ouvir outras pessoas ou gosta de tomar decisões por conta própria, de maneira mais unilateral?

Já posso te adiantar que existe uma forma que funciona melhor, que eu próprio uso na minha empresa e que para mim faz muita diferença: combinar os dois estilos! Veja mais sobre isso no vídeo a seguir e aprenda a combater a fragilidade da decisão:

COMO TOMAR DECISÕES NA EMPRESA – 2 ESTILO DE DECISÃO

O risco de errar na decisão

Antes de explicar como decidir bem, é importantíssimo ressaltar que o risco de errar na decisão influencia e muito no sucesso da sua empresa. Afinal de contas, imagina só se uma decisão que pode mudar o rumo do seu negócio for tomada de forma errada! Com certeza inúmeras consequências negativas vão surgir, infelizmente.

É por isso que a tomada de decisões deve ser, sempre que possível, muito bem pensada e planejada. Ainda mais se for uma decisão importante. Então, como fazer isso?

Como decidir bem

Como você viu no vídeo, a melhor maneira de evitar o risco de errar na decisão é misturando o estilo de decisão participativo e o estilo de decisão centralizador. Ou seja, por um lado você ouve as pessoas antes de tomar uma decisão, mas depois você mesmo decide sem transferir essa responsabilidade para ninguém.

Nunca se esqueça de que a responsabilidade de tomar uma decisão na sua empresa é sua, como dono do negócio. Isso especialmente em uma pequena ou média empresa, onde, normalmente, existem muitas pessoas e não há uma estrutura muito grande para ajudar os empresários a tomarem decisões e implementá-las.

Sendo assim, no final das contas, quem toma a decisão é você. Mas, então, qual é a vantagem de ouvir outras pessoas antes de tomar uma decisão?

Vantagens do estilo de decisão participativo

O estilo de decisão participativo possui duas grandes vantagens: a primeira vantagem é que você amplia a percepção do problema. Ou seja, se você ouve outras pessoas, vai ouvir também a opinião dos outros.  Mas, lembre-se: é preciso selecionar as pessoas certas para isso!

Principalmente quando é um problema mais complexo ou em uma área na qual você não tem muito domínio. Então a primeira vantagem é essa: aumentar a sua visão do problema e, assim, conseguir decidir melhor.

A segunda vantagem, quando se fala principalmente dos seus colaboradores ou dos seus sócios, por exemplo, é que você envolve todo mundo no processo de decisão. Quando uma pessoa começa a fazer parte da decisão, ela normalmente tem mais compromisso, uma vez que ela fez parte de todo aquele processo.

Então, essa é outra vantagem muito grande: comprometer mais as pessoas que vão implementar a decisão posteriormente para você.

Estilo de decisão centralizador

Mesmo que o estilo de decisão participativo seja realmente importante, tenha em mente que você não precisa fazer isso para todas as decisões. Afinal, existem algumas decisões que são muito simples, que você já sabe o que tem que fazer e toca para frente. Coloque o pessoal na mesa quando realmente for necessário ampliar o seu processo de decisão.

Caso contrário, para decisões mais simples, não existe nenhum problema em usar o estilo de decisão centralizador. Além disso, é válido ressaltar que mesmo quando você usa o estilo de decisão participativo, no final das contas, quem toma a decisão é você, você não pode transferir isso para ninguém.

E outra coisa, você não está ali para tomar uma decisão que agrade os outros. A decisão precisa agradar apenas a empresa, ela não pode agradar nem a você próprio, como dono do negócio. Ela precisa atender aos interesses da empresa, porque se ela atender esses interesses e a empresa for para frente, todo mundo ganha.

E há outra coisa importante para lhe dizer: quando você coloca as pessoas na mesa para decidir, não finja que elas estão lá para lhe ajudar na decisão só para agradá-las e para mostrar que você é uma pessoa participativa. Se elas estão lá é porque você realmente quer ouvi-las e vai usar parte disso, se for o caso, para lhe ajudar no processo de decisão.

Caso contrário, as pessoas vão perceber rapidamente que você está lá mais para agradar, e não vão dar muita bola para você, não vão nem contribuir com o processo de decisão, porque depois elas vão saber que você vai fazer tudo do seu jeito. Então, use as pessoas de fato, de maneira legítima, se for o caso, para lhe ajudar no processo de decisão.

Portanto, a fragilidade da decisão existe e pode estar muito mais perto do que você imagina. Ao todo, existem 11 fragilidades que derrubam sua empresa e você precisa conhecer e entender cada uma delas a fim de evitá-las sempre que possível. Para ter acesso a esse conteúdo de forma bastante detalhada, basta acessar meu livro por meio do link: http://livro.as11fragilidades.com.br/.

Além disso, para saber como fazer a empresa crescer e, consequentemente, aumentar cada vez mais as vendas, inscreva-se agora mesmo em meu canal no YouTube e acompanhe os melhores vídeos com dicas importantes para o seu negócio. Basta clicar no link: https://www.youtube.com/channel/UCt42WaM9p78BBzW-Fb6StKQ.