2 LIÇÕES DE LIDERANÇA E GESTÃO QUE APRENDI COM BILL GATES E STEVE JOBS

Existe um modo elementar para você se desenvolver como gestor. Você sabe qual é?

Copiar as práticas de grandes líderes da nossa história, e procurar agir como eles. Simples assim!

Eu faço isso com frequência. Estou sempre lendo livros e notícias, estudando citações, assistindo vídeos de gestores e líderes de sucesso, para aprender com eles.

Porém, é fundamental que você se identifique com eles. Não adianta eles serem apenas líderes de renome, você também precisa se conectar com essas pessoas, admirar eles.

Eu tenho afeição especial por Bill Gates e Steve Jobs. Gates saiu da direção da Microsoft já tem alguns anos e se dedica à filantropia, e Jobs, como vocês sabem, não está mais entre nós.

Ambos revelam 2 segredos para o sucesso deles como empreendedores e líderes. E neste artigo você saber quais são essas lições e como isso vai lhe ajudar a ser tornar um gestor melhor.

Este é mais um conteúdo sobre a Fragilidade do Gestor, que precisa ser controlada de perto. Porque se você for um bom gestor terá mais facilidade para lidar com as demais fragilidades da sua empresa.

E a primeira lição deles é a de ser visionário,  e visionário de forma incondicional, sem limites. Isso significa que os líderes precisam sonhar longe, acreditar que vão alcançar um estágio para a empresa que a maioria das pessoas nunca imaginou.

Eles vão encontrar muita resistência, porque quem é visionário e sonha alto vai se deparar com adversários que vão tentar diminuir as ideias deles, dizendo que não vão funcionar, que não fazem sentido.

Mas os líderes, quando realmente visionários, vão se manter firmes na sua visão, como uma rocha. Também mostrarão outra habilidade, que é comunicar a visão deles internamente na empresa, para que os colaboradores  comprem a briga e trabalhem na construção desse futuro. Esta capacidade de comunicação é fundamental.

Vocês conhecem alguém mais visionário do que Steve Jobs, que botou na cabeça que a Apple iria desenvolver o Iphone e o Macintosh, numa tecnologia fechada? Era uma ideia maluca na época, mas ele conseguiu, e até hoje ninguém se equiparou a Apple.

E a segunda lição, é a de que o bom líder e gestor precisa decidir mais a longo prazo do que a curto prazo. Como é que ele vai alcançar a grande visão de futuro decidindo a curto prazo? Não faria sentido.

Sim, você também precisa tomar decisões de curto prazo todo o tempo, porque a empresa está operando, não está parada. Mas nenhuma empresa se sustenta assim. Se você decide a maior parte do tempo para apagar incêndios e resolver assuntos urgentes, acenda a luz vermelha, porque tem algo errado na empresa.

Esta é uma regra básica de administração: as decisões devem ser na sua maioria a médio e longo prazos, que são aquelas que vão surtir efeito num horizonte de um ano, cinco anos, 10 anos, 50 anos, e daí em diante.

Veja o caso de Bill Gates, que saiu da direção da Microsoft e hoje se dedica à filantropia. Sem desmerecer as boas intenções de Gates, mas as vendas da Microsoft devem crescer, na medida em que são doados recursos aos países mais pobres, para investimento em educação, segurança e saúde, por exemplo

Se os países progredirem, as pessoas melhoram a condição de vida e, assim, de consumem novas tecnologias.

Mas quando uma ação como essa surtirá efeito? Quantas gerações são necessárias para mudar o destino de um país? Certamente mais de uma. Você consegue imaginar uma decisão de mais longo prazo do que está?

Para mim, como empresário, essas duas lições – ser visionário e decidir a longo prazo – de Bill Gates e Steve Jobs, são muito importantes para o crescimento da minha empresa.

Mesmo sabendo que a empresa deles é infinitamente maior do que a minha, isso não significa que eu não deva aprender com eles, muito pelo contrário.

Copiar as práticas de grandes líderes é uma forma simples de você se tornar um melhor administrador e, desse modo, controlar com firmeza a Fragilidade do Gestor.

Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.