4 OPÇÕES PARA VOCÊ RESOLVER OS RISCOS DA EMPRESA

Quando você descobre que sua empresa está enfrentando uma situação de maior risco, o que você deve fazer exatamente?

Bem, existem 4 alternativas apenas para você tratar um risco, nem mais nem menos. E hoje eu vou lhe explicar que opções são essas, quais consequências para sua empresa quando você decide seguir uma delas e também o que você ganha ou perde (porque haverá ganhos e perdas) com isso.

Este é mais um conteúdo sobre “As 11 Fragilidades e Riscos”, que tem por objetivo lhe ajudar a crescer, porém de modo sustentável e não a qualquer custo.

Escolher a resposta certa quando você identifica riscos pela frente é fundamental, porque se você escolher errado quando corre um risco alto, pode derrubar sua empresa.

Antes de falar nas 4 alternativas, vamos pegar um exemplo de risco (o risco de atender um grande cliente) que as empresas em geral correm. Isso vai lhe ajudar a entender bem das 4 opções para lidar com os riscos.

Imagine que você tem uma empresa de software que desenvolve sistemas sob medida para clientes. Você tem 8 funcionários, fatura 1 milhão de reais por ano e todos os seus clientes são pequenas e médias empresas.

Eu estou utilizando o exemplo de uma empresa de software, mas poderia ser qualquer outra: uma agência de marketing digital, um escritório de arquitetura ou de advogados, ou um pequeno restaurante ou hotel.

Você está tocando sua empresa, quando uma companhia gigante bate na porta e pede proposta para desenvolvimento de dois projetos: o site corporativo e a intranet do grupo. Eles chegaram até você por que souberam que sua empresa é especializada no assunto. Além do mais, você tem boa reputação no mercado.

Você pensa bem, avalia se consegue atender o projeto, e apresenta uma proposta. Depois de alguma negociação, acertam o preço em 350.000,00 reais, um pouco mais de um terço do seu faturamento anual por um único trabalho. Mas, você calculou sua margem de rentabilidade e entendeu ser um bom negócio.

O único problema (o cliente avisa) é que trata-se de um projeto a custo fechado, sem possibilidade de renegociação, pois o orçamento já foi aprovado pela diretoria. Portanto, se houver prejuízos, o problema é seu.

É sempre um risco nesse caso, certo? E agora, o que fazer? Você tem somente 4 alternativas para lidar como o risco:

A primeira delas é aceitar o risco – sim, simples assim, aceitar o risco e seguir em frente. Você acha que é capaz, que vai dar tudo certo, que seus cálculos estão corretos, colocou uma boa margem, que sua equipe é capaz. Acredita ainda que é uma oportunidade para elevar sua empresa a outro patamar como desenvolvedor de software… que pode até ter um pequeno prejuízo, mas entrará numa grande companhia, com possibilidade de novos negócios no futuro. São motivos justos, você acredita, para aceitar o risco do projeto e seguir em frente.

A segunda opção, indo para outro extremo, é rejeitar o risco – você desiste do projeto, pois se der errado o prejuízo será grande, provavelmente maior do que sua empresa suporta. Você decide manter o seu foco no mercado das pequenas empresas, onde vem tendo sucesso. Para quê pôr em risco sua reputação? São motivos que levam você a declinar do projeto.

A terceira opção é aceitar, porém controlando os riscos  quer dizer, implementando ações para reduzir os riscos do projeto dar errado. Por exemplo, você inclui no contrato condições que protejam o lado mais fraco (você), equilibrando melhor os interesses das partes. Mesmo admitindo que os preços do projeto continuam fechados, incluir penalidades no contrato no caso do cliente não cumprir sua parte, mitiga o risco da sua empresa. Anexar ao contrato os requisitos que serão desenvolvidos, enfatizando que necessidades surgidas após a assinatura do contrato serão negociadas mediante proposta à parte, são medidas que vão lhe proteger mais.

Uma outra medida é reservar um capital próprio, ou deixar pré-aprovado um empréstimo em banco, para cobrir déficits de caixa comuns neste tipo de projeto, quando o cliente só quer pagar após a aprovação das entregas (mas você precisa continuar pagando sua equipe).

Neste caso, com ações para controlar os riscos, você procura fazer o que está ao seu alcance para reduzir problemas futuros.

E a quarta e última alternativa é transferir parte do risco – você fecha o projeto com o cliente, porém faz uma parceria com empresa maior, por exemplo, onde ela assume parte do risco financeiro, em troca de uma participação do valor do contrato. Se cliente atrasar os pagamentos, o parceiro lhe paga. Uma parcela do risco é transferida para o parceiro, mas sua empresa ainda fica com parte relevante do risco, pois normalmente é inviável e caro passar para terceiros 100% dos riscos.

Entendeu as 4 alternativas? Repassando: (1) Não fazer nada e aceitar o risco; (2) rejeitar o risco, desistir da oportunidade; (3) reduzir o risco; (4) transferir parte do risco para terceiros. Não há outras opções, mas você pode combinar as quatro.

Para tomar a decisão mais acertada, é preciso analisar tudo que está em jogo naquele momento, quais são seus objetivos e os da sua empresa e aonde você chegar.

E lembre-se que os riscos precisam ser reavaliados periodicamente, pois o contexto muda. Uma resposta que você deu hoje pode ser diferente amanhã, pois os seus objetivos se alteram om o tempo.