Colaborador ou Cliente, Quem é Mais Importante?

A Fragilidade do Colaborador – Quem é mais importante, o cliente ou colaborador?

Para você que tem uma empresa, quem é mais importante, o cliente ou o funcionário? Sabendo que sua empresa tem duas Fragilidades sérias, que são a Fragilidade do Cliente e a Fragilidade do Colaborador, qual das duas é mais perigosa?

Se você respondeu rapidamente que é o cliente, é melhor rever sua posição. Será que ele é mesmo a parte mais relevante? Sim, você pode insistir dizendo que nenhuma empresa existe sem clientes.

Sabemos que são os clientes aqueles que geram as receitas que você precisa para pagar as contas da empresa, inclusive os funcionários. Provavelmente você até já disse a um funcionário: trate bem o cliente, pois é ele quem paga nosso salário. Estou certo?

Isso tudo não deixa de ser verdade, mas há o outro lado da moeda. Sabe qual é? Se você não tiver bons funcionários, quem vai elaborar os produtos que serão entregues ao cliente? Quem vai atender e prestar suporte ao cliente, e quem é que vai vender os serviços da empresa e trazer os clientes? Fique certo de que os clientes não virão sozinhos, você precisará de ótimos vendedores para conquistar os primeiros e todos os demais clientes que virão depois.

E tem mais: normalmente a empresa começa sem clientes. Na verdade, no início a empresa não tem qualquer coisa além de uma boa ideia. O negócio tem de ser estruturado minimamente, antes de irmos em busca de clientes. E adivinhe quem é que vai estruturar o negócio como você? Seus colaboradores, é claro?

Por essa razão, minha aposta é que os colaboradores são o elemento mais importante da empresa, mais ainda do que os clientes. Isso porque se você não tiver colaboradores capazes, provavelmente seu cliente será mal atendido, e acaba indo embora, e você fica sem clientes, e fechará as portas. Por isso, a Fragilidade do Colaborador é uma das mais perigosas para sua empresa.

O problema é que nós temos uma tendência de subestimar a Fragilidade do Colaborador e, dessa forma, descuidar dos colaboradores, o que é muito perigoso. Não basta pagar um bom salário! Pensar assim é um erro que muitos empresários cometem. O certo é controlar muito bem a Fragilidade do Colaborador, para reter os clientes.

Existem 4 medidas simples para você controlar a Fragilidade do Colaborador:

  1. Selecionar bem os colaboradores – contatar as pessoas certas para os lugares certos – não adianta contratar uma pessoa supercompetente para uma função errada.
  2. Treinar, capacitar com vontade e permanentemente os colaboradores.
  3. Motivá-los.
  4. Remunerar adequadamente.

Uma mensagem final: em uma pequena e média empresa, além de ser o dono do negócio, você é também um os principais Colaboradores.  Assim, as regras acima se aplicam também a você. Não perca isso de vista.

 

A AGENDA DE PRIORIDADES DO GESTOR

Com tantos planos a realizar, priorizar aquilo que é mais importante requer bom-senso e firmeza. Não é fácil! Um dos segredos para conseguir isso é mirar nas grandes metas da empresa, priorizando as atividades que lhe ajudarão a chegar lá mais rápido, e de modo sustentável.

Vencido este primeiro desafio, há um outro, tratando-se de prioridades: manter-se fiel à agenda, sem desviar-se do que foi estabelecido previamente para atuar em “urgências” e tarefas de pouco valor à empresa.

 

“A chave não é priorizar o que está na tua agenda, mas agendar as tuas prioridades.”. Stephen Covey

5 Perguntas para saber se sua empresa está atualizada

Você tem evoluído tecnologicamente ou será que anda parado no tempo. Outra pergunta: sua empresa tem inovado, ou não?

Certamente algum investimento em tecnologia e inovação você deve ter feito nos últimos tempos, ou sua empresa não estaria mais de pé. Mas sempre fica a dúvida se o tempo e dinheiro investido tem sido suficiente para a empresa andar para a frente.

Para lhe ajudar a esclarecer essa dúvida crucial, eu vou lhe fazer 5 perguntas simples, para que você descubra se sua empresa tem inovado e se atualizado na medida certa.

Este é mais um conteúdo sobre as 11 Fragilidades, e hoje nós vamos falar da Fragilidade da Tecnologia e Inovação.

Então vamos às 5 perguntas:

A primeira pergunta é a seguinte: você lançou algum produto ou serviço novo nos últimos 12 meses?

Nesse caso, pesa menos se você fez uma modernização no produto atual, ou se melhorou o serviço prestado… o que vale mesmo é se você criou um produto novinho em folha. A regra vale para qualquer negócio, guardadas as devidas proporções, porque alguns setores são mais propensos à inovação, por exemplo, a indústria de software.

Sua inovação não precisa ter sido mirabolante A questão central é saber se você introduziu alguma tecnologia ou inovação que melhorou de verdade a vida do seu cliente.

É onde entra a segunda pergunta: considerando que a resposta da primeira pergunta foi “Sim”, de que maneira os seus clientes reagiram ao produto que você criou? Eles gostaram? Compraram a ideia? Adotaram o novo serviço ou produto?

Se a resposta for “Não”, é provável que você tenha de voltar ao passo 1 e rever seu produto. Isso porque não adianta criar algo fenomenal e ninguém usar!

Claro que ideias inovadoras levam um tempo para serem aceitas. Foi o caso do Uber, por exemplo, que levou tempo para que as pessoas descobrissem que contavam com um novo transporte muito eficiente. Porém, se a sua inovação não “virar”, é melhor você reavaliar seu novo produto, pois algo pode ter dado errado.

A internet e a mobilidade têm sido centro das suas atenções, quando você pensa no cliente? Esta é a terceira pergunta que você precisa responder. E por que?

Porque tem duas coisas que se tirarem da maioria das pessoas elas fica louca: uma é a internet e a outra , o telefone celular.

Isso porque tudo hoje está na internet, e o aparelho mais utilizado para acessar às informações na internet é o smartphone, de longe. Portanto, para quase tudo que você pretende oferecer aos clientes,  é essencial pensar na internet e na mobilidade.

Quarta pergunta: você utiliza as redes sociais (Facebook, YouTube, Instagram etc.) para se comunicar com os clientes? Como você interage com eles? Você entrega regularmente conteúdo útil aos clientes, para que aprendam como melhorar o negócio deles?

Por exemplo, se você vende roupa feminina, poderia publicar matérias ensinando as pessoas a se vestirem bem, ou sobre moda em geral. Entregar conteúdo de utilidade é uma maneira eficaz de você se aproximar do seu público, de gerar confiança. Isso porque você mostra que conhece bem o negócio do cliente e, por isso, pode ajudá-lo a progredir.

Outra coisa interessante é você utilizar o Marketing Digital para vender seus produtos, porque isso abre muitas portas para você inovar em vendas, fazendo seu faturamento crescer com vontade.

E a quinta e última pergunta é endereçada a você diretamente. Neste momento, olhe bem para dentro de você.

Você tem se sentido cansado de fazer a mesma coisa todos os dias?

Se estiver com essa sensação, acenda a luz vermelha. Possivelmente é um forte sinal de que você anda sem criar nada novo. É porque essa situação cansa, e o incômodo que você está sentindo é uma boa oportunidade para você mudar de vida, inovar, dar uma guinada na tecnologia que sua empresa utiliza. Não se acomode.

Bem, essas são as 5 perguntas que você precisa se fazer. Se você respondeu “Não” a pelo menos duas questões, é um aviso que a Fragilidade da Tecnologia e Inovação está por perto da sua empresa, se é que já não lhe pegou.

Meu melhor conselho é você virar o jogo imediatamente, de modo a responder “Sim” a todas as pergunta, sem exceção. Não é tão difícil assim, acredite em mim.

 

NÃO DANIFIQUE O MEIO AMBIENTE

CONTROLE A FRAGILIDADE DA IMAGEM

“Vivemos em uma época em que há uma percepção cada vez mais crescente dos males que estamos causando ao meio ambiente, assim como dos efeitos negativos que isso traz de volta para todos nós. Novas leis são publicadas a cada dia no intuito de preservar a natureza.

Nesse contexto, as empresas precisam intensificar os cuidados sempre que fornecem produtos passíveis de poluir o meio ambiente. Os consumidores estão de olhos bem abertos para as ações que vão contra o meio ambiente – por menores que essas ações possam aparentar.”,

extraído do livro As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa.

 

 #As 11 Fragilidades
Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

Apagão afeta negócios em todo Nordeste

A FRAGILIDADE DO EVENTO EXTERNO – UM APAGÃO

Mais de 70 milhões de pessoas e 13 estados brasileiros ficaram sem luz por causa de APAGÃO que aconteceu ontem. O blecaute teve início às 15h48 e até 19h45 ainda havia locais com falta de energia.

“Ficamos sem vender por duas horas”, reclamou Erica Sampaio, gerente de um restaurante do aeroporto de Salvador, que só teve o fornecimento regularizado às 18h. Duas horas sem vender, num ponto comercial caro como um aeroporto internacional, significa um grande prejuízo para os empresários ali instalados. Calcule agora as perdas que milhares de empresas do país tiveram com o apagão.

É a FRAGILIDADE DO EVENTO EXTERNO em ação, causando prejuízos ao seu negócio. Esta Fragilidade age quando eventos, vindos de fora da empresa, geram transtornos e perdas financeiras.

O que fazer nessas horas para proteger seu negócio? Bem, é preciso que você identifique previamente os riscos capazes de interromper a operação da empresa. O próximo passo é implantar medidas para não ser pego desprevenido, na eventualidade de riscos que partem de fora ocorrem.

Por exemplo, no caso do Apagão, uma medida seria instalar um Nobreak. Mas é preciso calcular o custo do equipamento versus o prejuízo com a parada. São muitas as situações a considerar para decidir o que será feito ou não.

Para saber mais sobre o BLECLAUTE clique aqui: Folha de São Paulo – Apagão Atinge 70 Milhões de Pessoas e os Estados do Nordeste e Norte do País

 

#As 11 Fragilidades
Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

Uma fórmula para corrigir a Fragilidade da Decisão

Uma FÓRMULA poderosa para corrigir a Fragilidade da Decisão é você se desenvolver como empresário, ser Expert no seu ramo de atuação, entender muito bem o cliente e estudar a fundo o mercado de atuação.

Na medida em que você evolui nessa direção, tudo fica mais claro, naturalmente. As coisas vão surgindo na nossa frente, as respostas para as perguntas que nos fazemos sobre o destino da empresa vão sendo esclarecidas. E fica mais fácil tomar decisões, a acertar o alvo e, assim, a controlar a FRAGILIDADE DA DECISÃO.

“Quando alguém está realmente preparado para uma coisa, ela aparece”, do livro Pense e Enriqueça, de Napoleon Hill.

Nunca Contrate Um Funcionário

Sua empresa contrata Funcionários ou Colaboradores? Como você chama as pessoas que trabalham com você?

Pode não parecer, mas segundo pesquisas confiáveis da área de recursos humanos, e também de acordo com a opinião de grandes empresários, o título que você dá às pessoas que trabalham na sua empresa faz toda a diferença. Você já havia pensado nisso? Hoje você vai descobrir o melhor termo a ser utilizado com o seu pessoal e porque isso acontece.

Este é mais um conteúdo sobre as 11 Fragilidades e a respeito da Fragilidade do Colaborador.

E é exatamente esta palavra, “Colaborador”, que você deveria chamar os seus colaboradores. Existem três razões para isso.

A primeira delas é que a palavra funcionário enfatiza uma relação de subordinação, de hierarquia entre um patrão e um empregado. Quer dizer, a pessoa faz aquilo que a empresa determina, e ponto final! Nesse caso, a relação é um tanto seca, entre quem paga e quem recebe o salário, entre quem manda e aquele que obedece sem questionar.

Porém, os tempos mudaram, e as empresas precisam ir mais longe, e um instrumento para isso é motivar as pessoas a terem iniciativa, a se sentirem parte da empresa, donas do negócio, a se comprometerem com os resultados. A palavra Colaborador remete à uma missão, engaja as pessoas com o que precisa ser feito para que a empresa alcance os objetivos.

O segundo motivo é que “Colaborador” é mais suave, indicando maior proximidade com a pessoa do que a palavra Funcionário e, por isso mesmo, gera maior conexão entre você (a empresa) e o colaborador. Bem conectados, os colaboradores entendem aonde você quer chegar, aumentam o alinhamento com os objetivos da empresa, e tendem a ficar mais tempo. Desse modo, você retém os talentos – um grande desafio do empresário, especialmente nas pequenas e médias empresas.

Para você ter uma ideia do que estou falando, o colaborador mais antigo da minha empresa, Roberta, trabalha junto comigo há mais de 30 anos, desde quando eu era executivo de outra empresa, antes de eu virar empresário. Parece mentira, não é mesmo? Mas existem outros colaboradores que também estão comigo há muito tempo: 17, 15 anos… Isso não é fácil nos dias de hoje!

A terceira razão é que a palavra colaborador indica alguém que procura ir além da função para a qual foi contratado, que corre atrás de soluções para os problemas, que se compromete com os resultados. Quer dizer, um indivíduo que tem o espírito de colaboração fincado no peito, ao invés de um simples funcionário. Um verdadeiro colaborador, veste a camisa da empresa e muitas vezes não tira nem quando está fora dela.

Depois de conhecer os três motivos acima, acredito que você não tenha mais dúvidas que utilizar a palavra Colaborador é melhor do que Funcionário, na grande maioria dos casos. Além do mais, agindo assim você controla de perto a Fragilidade do Colaborador. Porém, lembre-se que tudo precisa ser legítimo, verdadeiro, pois não adianta chamar as pessoas de colaborador e continuar tratando elas como simples funcionários. Entendeu a mensagem?

 

O PERIGO MAIOR DA FRAGILIDADE DA IMAGEM: ATOS ILÍCITOS

ATOS ILÍCITOS ALIMENTAM A FRAGILIDADE FINANCEIRA

“Um dos territórios mais perigosos para sua empresa é o envolvimento em atos ilícitos, que contrariam a Lei. Uma grande empresa, se apanhada em uma tentativa de corrupção, moverá todos os meios disponíveis – que não são poucos – com o objetivo de se defender das acusações. Mas uma pequena ou média empresa dificilmente terá recursos suficientes para fazer o mesmo, se um problema semelhante de corrupção ocorrer com ela.

Há uma nova Lei em vigor, a 12.846 – Lei Anticorrupção Brasileira, que pode lhe causar sérios problemas, mesmo que você seja o empresário mais correto e bem-intencionado do mundo. Isso acontece porque cumprir a nova Lei não depende somente de você – mas também das pessoas que trabalham com você.

A Lei Anticorrupção Brasileira foi regulamentada em março de 2015 e encontra-se em pleno vigor. Aplica-se a todas as empresas, de qualquer setor, sem exceção. Vale para uma microempresa, para as pequenas e médias empresas e para grandes corporações.”, extraído do livro As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa.

 #As 11 Fragilidades
Aproveite e adquira o livro inédito “As 11 Fragilidades Que Derrubam Sua Empresa“.

As Aparências Valem Muito

Por mais que tenham lhe dito o contrário, preocupe-se com as aparências, por que elas valem muito mais do que você imagina.

Sua imagem é fundamental para que as pessoas comprem de você. Ninguém vai querer fazer negócio com uma empresa que tem má reputação.

Este é mais um conteúdo sobre a Fragilidade da Imagem, que pode atingir a reputação da sua empresa e a sua própria, muitas vezes de modo irrecuperável.

Daí o cuidado que você precisa ter com sua aparência, com a forma pela qual você é percebido pelo cliente. Você precisa ser bem avaliado pelo seu cliente, sempre, sem qualquer hesitação.

Porém, dizer que as aparências valem muito não significa que você deve enganar ninguém. Fingir ser o que você não é de verdade, está longe de ser o certo. A mentira tem perna curta, além de ser antiético mentir – e que queremos acima de tudo ser éticos nos negócios assim como na vida pessoal.

A questão aqui é outra: cuidar das aparências envolve ações simples, na maioria das vezes, mas muitos empresários agem diferente e parecem não se importar com as apresentações.

As 3 medidas são a seguintes:

A primeira delas envolve suas vistas a clientes. Nesses casos, é fundamental que você e os seus colaboradores estejam bem vestidos – com roupas no mesmo padrão do cliente, ou ligeiramente acima, nunca abaixo -, de barba feita (tratando-se de rapazes), de cabelo arrumado etc. Como falei antes, isso pode parecer elementar, mas muita gente parece não ligar para isso.

E lembre-se que você precisa estar muito seguro da pessoa que envia para o cliente, principalmente quando o funcionário está desacompanhado. É preciso mandar alguém da sua inteira confiança, para evitar problemas de comportamento, ou que o funcionário fale o que não deve. E, outro detalhe, deixe em casa aquele notebook velho e leve um bom estado quando visitar o cliente.

A segunda medida envolve agora as instalações da sua empresa, que precisa estar sempre pronta para receber alguém, um cliente, um parceiro, um fornecedor. A pintura deve estar em boas condições, a fiação elétrica e de rede também, o local limpo, mesas arrumadas. Lembro de uma época em que estava participando de uma concorrência e o cliente me ligou numa manhã informando que passaria na minha empresa para uma visita… e seu não estive arrumado?

Por fim, a terceira medida envolve o site da empresa, assim como as redes sociais (Facebook, YouTube etc.), que precisam estar sempre em bom estado, atualizadas em relação aos produtos e serviços e funcionando, sem quedas.

As aparências vão além disso, conforme tenho falado em outros vídeos. Porém, as 3 medidas, que são simples de realizar, ajudam muito a controlar a Fragilidade da Imagem. Afinal, você não vai querer que um cliente fique com uma má impressão sua e saia por aí dizendo: “PARECE QUE A EMPRESA DE FULANO NÃO ANDA BEM”

Trabalhe para seus colaboradores, nunca o contrário

Se você deseja ter os melhores colaboradores do mundo, não há nada melhor do que tratar bem todos eles, como se fossem a parte mais valiosa da empresa. Selecione as pessoas certas, que cabem na cultura da empresa, e depois capacite-as por toda a vida.

Esteja sempre por perto para orientar seus colaboradores, para mantê-los alinhados com os objetivos da empresa e para ajudá-los a crescerem profissionalmente e também como seres humanos. Se você trabalhar para o desenvolvimento deles, eles estarão com você por muito tempo.

Controle a FRAGILIDADE DO COLABORADOR.

“Os gestores deveriam trabalhar para as suas pessoas, e não o contrário.”, Ken Blanchard.